Crítica | Thor: Amor e Trovão | Divertido, porém decepcionante


Colocando o pé na porta, a Marvel acaba de lançar o quarto filme solo do Thor interpretado por Chris Hemsworth, seguindo mais uma vez com a direção de Taika Waititi, marcada positivamente por Thor: Ragnarok, mas será que Thor: Amor e Trovão é mais um acerto do diretor ? Descubra agora !


Para começar, está claro que este filme abusa da comédia, falamos isso porque rimos durante todo o filme, não só nos diálogos como também nas cenas de ação, o que poderia ser bom, já que mostra o quão divertido ele é, mas acaba evidenciando que o método de direção de Waititi nem sempre funciona, uma vez que esse senso de humor se aplica até mesmo em cenas que deveriam ter alguma carga dramática, fazendo com que elas percam toda a sua profundidade a ponto de não se importarmos com alguns personagens, que não estão lá para acrescentar a obra, mas sim para fazer alguma piada.


Este é o caso da Valquíria, interpretada por Tessa Thompson, uma personagem bastante importante em Thor: Ragnarok e que infelizmente neste filme tem uma presença um tanto quanto menor.


Entrando no assunto, aqui vemos mais uma vez que o elenco trabalha muito bem, Chris Hemsworth principalmente, que como sempre entrega uma ótima atuação, valendo outros dois destaques para Christian Bale como Gorr e Natalie Portman como Poderosa Thor.


E embora tenhamos elogiado esses dois últimos, está claro que o roteiro não permitiu um melhor aproveitamento de seus personagens... digamos que falta desenvolvimento para eles, já que ao invés de aprofundá-los em suas respectivas tramas, Taika Waititi optou por apresentá-los com uma estética de encher os olhos... e só. Compramos a ideia deles, mas não criamos apego pelos mesmos em momentos algum, o que é um problema grave dentro do longa.


Até a ameaça de Gorr, "O Carniceiro dos Deuses" parece não ser tão grande assim, uma vez que tal carnificina nem aparece realmente em cena. Isso impede que a sensação de imponência seja criada, o que é uma pena, pois Christian Bale realmente se dedicou para representar o personagem.


Pelo menos a estética de Thor: Amor e Trovão, como citamos anteriormente, é simplesmente ótima, marcada por cenários muito bem elaborados, trilha sonora eletrizante e efeitos especiais que cumprem o que prometem em grande parte do tempo, mesmo que deslize em alguns momentos ali e aqui, causando sim uma certa estranheza durante algumas cenas, mas nada que atrapalhe a experiência de modo geral, tudo isso acompanhado de ótimas cenas de ação.


De maneira geral, podemos dizer que Thor: Amor e Trovão é um filme extremamente divertido, com ótimas cenas de ação, trilha sonora eletrizante e bons atores, mas que por exagerar no humor, chega ao ponto de perder toda a sua carga dramática, isso ao mesmo tempo que perde o interesse de desenvolver melhor os seus personagens e esquece de gerar imponência ao vilão, desperdiçando o ótimo trabalho de Christian Bale e provando que nem sempre a direção de Taika Waititi funciona.