Crítica | Elvis (2022) | Uma cinebiografia que honra o legado do grande Rei do Rock


Após 45 anos depois da morte do cantor, Elvis Presley acabou ganhando uma própria cinebiografia, intitulada de Elvis protagonizada e dirigida por Austin Butler e Baz Luhrmann, respectivamente. Mas será que o filme faz jus à fama do astro ? Veja nossa crítica !


Para começar, podemos dizer que sentimos uma certa estranheza durante os primeiros minutos da obra, isso ocorreu devido ao estilo de edição adotado por Baz Luhrmann, cuja autoralidade ficou clara com o tempo. Não só isso, como devemos elogiar a mesma, uma vez que é brilhante ao ponto de variar ao longo da obra com o intuito de engrandecer os shows do cantor ao mesmo tempo que confere um ar frenético a eles, tudo isso acompanhado de transições entre cenas bem diferentes do habitual.


Falando da direção, Luhrmann ainda nos entrega cenas marcantes e bem conduzidas, sintetizando o impacto que Elvis trouxe para as diferentes camadas da sociedade, fazendo questão de destacar as influências negras na formação da figura do cantor.


Quanto as atuações, podemos dizer que o elenco em geral fez um ótimo trabalho, porém está claro o brilho da interpretação de Austin Butler, que não só encarna perfeitamente o personagem, como também deixa evidente que o mesmo capturou a essência do Elvis e a transmitiu plenamente por meio de gestos e coreografias acompanhadas de uma profunda carga dramática, resultando (em nossa visão) na melhor atuação do ano até agora.


No caso do personagem interpretado por Tom Hanks, está visível que o excesso de fidelidade na adaptação do Coronel Tom Parker tornou o trabalho do ator caricato em algumas situações, algo que por sua vez tornou cansativo o foco que o roteiro concedeu a ele.


O roteiro pode ter suas controvérsias envolvendo facilitações e diálogos óbvios, sendo que o foco do filme não é este e portanto devemos levar em consideração que o mesmo acerta em cheio no que se propõe a fazer como uma biografia que acrescenta camadas aos personagens.


Concluindo, Elvis cumpre o seu papel ao entregar uma excelente atuação por parte do protagonista, cenas marcantes, ótimo ritmo e uma direção impecável, sendo um das melhores produções biográficas do cinema.