Crítica | Top Gun: Maverick | Muito Tom Cruise, muita testosterona e ainda tem coração


Crítica | Coraline (2009) | FS Reviews

Todos se lembram de Top Gun: Asas Indomáveis, um filme que divertia, porém como um produto de sua época, não tinha estrutura narrativa que se sustentasse caso não aceitíssimos a cafonice proposital, e agora, com Top Gun: Maverick, o estúdio pretende reanimar a franquia, mas será que conseguiu ? Veja nossa crítica !


Para início de conversa, deixamos claro que esse filme possui coração... chega a ser incrível o quão carismático o elenco é, principalmente o próprio Tom Cruise, que não só tem carisma, como vivencia tudo graças ao excelente trabalho prático que fez ao preferir não usar dublê, mas sim, se dá o esforço de entregar tudo da maneira mais realista possível, algo que aqui foi feito com alma e coração.


Ainda nesse ponto, é inegável o ótimo trabalho na gravação das cenas de voo, já que praticamente todo a produção foi feita com a prática do voo por pilotos treinados da marinha americana (no caso da equipe de Maverick) e pelo próprio Tom Cruise (no caso de Maverick), tirando em algumas cenas ali e aqui que exigem o CGI para não comprometerem a segurança do elenco, isso torna tudo tão emocionante quanto é impressionante.


Indo para os demais aspectos técnicos, vale destacar a ótima trilha sonora, uma direção que sabe o que faz, uma vez que Joseph Kosinski coordena o arco narrativo de maneira que tudo ocorra sem pressa, nem atraso, com um ritmo equilibrado o bastante para não permitir que qualquer um se perca nos acontecimentos que ocorrem no decorrer da obra.


Já o enredo principal, esse se desenvolve muito bem, já que por mais que seja simples, pelo menos é coeso, embora apresente alguns clichês clássicos do cinema que conhecemos.


Para finalizar, Top Gun: Maverick, não só revitaliza a franquia, como também o cinema, que está fragilizado devido a pandemia. E se você ouviu alguém comentando que o filme tem "excesso de testosterona", tenha certeza de que tem, e pelo menos aqui, isso fez mais que bem.