Crítica | Cavaleiro da Lua - 1ª Temporada | Basta um tom sombrio para introduzir um bom personagem


Crítica | Coraline (2009) | FS Reviews

Depois de ficarmos impressionados com o final de WandaVision e nos decepcionarmos com a infantilidade apresentada na série do Gavião Arqueiro, não tínhamos expectativa alguma para a série do Cavaleiro da Lua, mas depois que a obra lançou no Disney+ com classificação indicativa de 14 anos muitos se perguntaram se vale a pena conferi-la, e por isso estamos aqui para respondê-los. Ficou curioso ? Veja a nossa crítica !

Em um primeiro momento assistindo aos dois primeiros episódios da série, percebemos que Doug Moench, o criador da série, busca explorar a loucura do personagem, tanto no âmbito psicológico quanto emocional, já que o mesmo apresenta diversas personalidades dentro de um mesmo corpo.

Para isso, o criador teve de trabalhar com um ritmo mais lento no episódio 1, que tinha como foco retratar essa perturbação da qual o personagem interpretado por Oscar Isaac sentia, isso através de cortes aparentemente sem sentido, mas que na verdade são apenas "pontos" específicos no tempo/espaço em que tudo ocorre. Isso ajuda a representar os "apagões", que são apenas momentos de perda de consciência do protagonista.

A partir disso já podemos falar da atuação do elenco da produção, que é muito boa, algo que junto de coreografias muito bem dirigidas elevam a qualidade da mesma. Mas algo que vale destacar e que pode incomodar alguns é que Cavaleiro da Lua depende bastante de efeitos especiais por causa de seu gênero, o que acaba resultando num CGI muito mal feito em grande parte das cenas que envolvem seres sobrenaturais.

A trilha sonora da série é um ponto a se elogiar, já que além de servir de contraponto ao que nos é mostrado, reforça o psicológico conturbado do protagonista. O roteiro é muito bom de maneira geral, isso em todos os episódios tirando o quarto, onde se perde na proposta inicial.

Concluindo, a primeira temporada de Cavaleiro da Lua é simplesmente inovadora em sua proposta, ultrapassando as barreiras de tom impostas pelo MCU para entregar um resultado respeitável.